terça-feira, 8 de agosto de 2017

SOBRE UTILIDADE

 
E porque hoje é dia 8 de agosto, aqui está um texto da Maria Lauro de Almeida :
 
Um dia alguém me disse que há respostas que não se devem procurar.  Não por acordarem tabus, mas por serem perguntas companhia, perguntas abraço e grito que se partilham connosco enquanto crescemos e crescemos e crescemos...até sermos gigantes na imensidão. 
Eu que padeço de curiosidade crónica entendi....Na verdade, fingi entender.  
Ontem num jantar, este tema voltou para cima da mesa. Hoje partilho-o. Por isso, aqui ficam: 
Para que serve uma falsa amizade? 
Para que serve um traidor?
Para que serve um político corrupto?
Para que serve um advogado mal formado?
Para que serve um egocêntrico?
Para que serve a ausência de um pedido de desculpas?
Para que serve a estupidez? E a ignorância?
Para que serve o desamor?
Para que serve a negligência? E o medo?
Para que serve a negação da realidade? 
Para que serve a cobardia? 
Para que serve a dor? 
Para que serve o abuso? 
Para que serve a vida? 
Para que serves? 

Ah, eu gostava de servir para isto: 

sábado, 8 de julho de 2017

IT`S A BIG, BIG WORLD...

Mais um texto "top" da Maria:
 
"Este será o verão mais inteiro e disponível dos meus últimos tempos. Não tenho dúvidas. E como é que  eu sei isto? Sentindo-o. Muito do que sabemos funda-se no que sentimos, o resto é obra dos livros. 
 Para trás, porque a minha vida se organiza cronologicamente por anos letivos, fica um ano duro do ponto de vista emocional.
 Este ano aprendi, dizia eu, a construir novas fronteiras e a fazer muros mais altos afastando narcisistas e manipuladores. A tolerância deve ser bem aplicada. E talvez a tenha usado em demasia.
 Aprendi também  o perigo de estar perto de pessoas que fazem Gaslighting provocando dissonâncias cognitivas. Nada disto é para brincadeiras.  E que foi por isso que fiquei reativa e alérgica a qualquer forma de abuso verbal, mesmo que me tenham dito repetidas vezes que há contextos de discussão em que é legitimo ser-se " cabra, ordinária, puta, miserável, sopeira e burra de m####" entre outras coisas mais chocantes e malignas. 
Que receber emails ofensivos, sucessivas cartas registadas  pedir o que já se levou e mensagens abusivas, não é amor. Que não somos fracas nem desistentes porque não ficamos com narcisistas abusadores. Somos inteiras porque saímos. A coragem de perceber que o sonho é pesadelo é intensa.
Que estas pessoas tentam sempre virar o foco. 
Que o argumento, do tempo que se passou ali com essa pessoa desmontaria toda a lógica das queixas, virando de sentido a vergonha e retirando assim a nódoa ao agressor, não é válido. Estou em condições de explicar que nunca se fica com homens assim. 
Fica-se ou vai-se estando com a ilusão de que aquela pessoa tomará consciência, algures. 
Quem ama cuida. E cuidar não é vandalizar nem abusar emocionalmente. Ponto.  Que não, não sou vítima de um perverso narcisista, porque ser vitima significaria ter ficado ali, nele a esconder a tristeza e o abuso, numa vandalização sem limites. E eu não fiquei. Saí. 
 Que muitos livros depois, muitos jantares maravilhosos e muita gente nova, bonita de alma e coração, depois, eu estou livre. Talvez só quem tenha vivido uma relação abusiva entenda o sentido desta liberdade. Será qualquer coisa parecida com inaugurar uma nova democracia, mas funcional.
 E agora?
E agora estou leve e feliz e quero contar-vos que de cada dor nasceu um projeto. De cada traição surgiu uma história e aconteceu um livro lido, :) .Sinto-me uma biblioteca por isso.. :) . Que cada abuso trouxe um poder enorme de regeneração.
  Hoje o texto fica assim, mais simples, sem filtros e com menos encanto. 
E antes de terminar quero dizer-vos que entendo que a miséria humana deve ser olhada como uma miséria de valores e que por vezes o melhor a fazer é deixar cada um desses abusadores e manipuladores consigo próprios, eles são os seus infernos.
 Que a vida que se segue é sempre melhor e mais bonita, porque este ainda é um Big, Big world with Big, Big hearts. 
Boas férias:   https://youtu.be/IwBNY2xqSX8 "

terça-feira, 13 de junho de 2017

DENTES DE RATO

Quando fiz o meu curso de educadora de infância  não era ainda licenciatura. Depois, em 1999, abriu um "complemento de formação" para então ficar licenciada. As aulas eram às sextas e sábados depois de uma semana exaustiva de trabalho. Este enquadramento para dizer que tive uma professora de literatura infantil nessa altura, que era "top". O que aprendi com ela. Um dos livros obrigatórios nesta disciplina era "Dentes de rato" da Agustina Bessa-Luís. E, a propósito de dentes de rato lembro-me de uma pessoa que conheço e que outro dia me tentava falar ao coração... e senti-me a Agustina Bessa-Luís. Essa pessoa é má, mentirosa, mesquinha e projetei logo o livro e recuei 20 anos da minha vida no  diálogo em que perdi o meu tempo a ouvi-la (?).
Tudo isto para desabafar que as pessoas que estão connosco, que fazem parte da nossa vida pontualmente, não quer dizer que cá fiquem. Esta entrou, ficou mas já saiu.  E ficou porque me iludiu (ou melhor: desiludiu). Li algures que "somos como casas: às vezes há os que entram e veem  todas as fissuras e imperfeições e perante tal  fogem com medo que o teto caia e OUTROS ficam na esperança de um dia morarem em nós". E é isto! Uns ficam, outros saem pela porta que entraram.
 
 

quinta-feira, 8 de junho de 2017

INVITATION

No dia 8 não poderia faltar um texto brilhante da Maria. Obrigada.
 
"O Verão  parece que já chegou e apesar disso este não é um texto sobre praias, banhos de sol e temperaturas altas. E isto era só para aquecer as palavras e fazer uma introdução. 
Na verdade, este é um texto sobre Gente. Gente que já vive dentro de cada um de nós e os Outros, os que ainda nos hão-de habitar. 
 Tenho o privilégio, já muitas vezes denunciado e acarinhado por mim, de ao longo da minha vida contactar com relativa proximidade, privar nalguns casos mesmo, com pessoas absolutamente extraordinárias.
  Falo de um sobrevivente do Holocausto e prémio Nobel da paz, de um ativista palestino e candidato também ele a um Nobel, de um poeta Andaluz e de um artista Sírio, a um cozinheiro doutorado Nepalês, de uma realizadora de causas humanitárias, de um tio de uma natureza extraordinariamente humana e de uma filha absoluta e inequivocamente generosa e inteligente que já faz parte, do alto dos seus 12 anos, de uma plataforma  internacional de intervenção social em causas humanitárias,  à senhora que todos os dias me vende um café com um sorriso meigo e doce apesar de ter perdido o filho recentemente.
 E outros.
 A Ana, a minha mais recente amiga que é intensa e genial, poderia ser escorpião e, na verdade, até é um bocado: tem um sentido de humor imprescindível  bem como uma paixão assolapada por Literatura. O Pedro, que me desmonta todos os problemas com um carinho e cuidado únicos e que no meu entender partilha do mesmo ADN metódico de Descartes. A Maria que é notável e profunda. O João que apesar de nos conhecermos ainda mal, gostamos dos mesmos caminhos... e, por fim, o Miguel. O Miguel é um caso à parte. Lê-nos. Eu acho que o Miguel percebe como  a vida faz futuros e aquelas ligações e equívocos e depois tem a voz mais bonita do mundo.  Adoro-o. Ele sabe-o e eu sei que ele sabe, que eu sei :) .
 Estou rodeada dos melhores. 
 Em todos eles cabe estrutura, dignidade, verdade, amor à vida e ao outro, sonhos, inteligência, eterna vontade de mudar, causa e consequência, ação e efeito. Respeito, honra e alegria. Amor. Abrigo e futuro. 
Juntamo-nos obrigatoriamente uma vez por semana.  São a minha tribo. Eu que tenho alma de nómada, que não consigo ficar aonde não sou feliz, nem aceitar o inaceitável sobre qualquer desculpa ou pretexto criei raízes, ali neles. Pertenço-lhes. 
E porque o mundo e a amizade têm que ser espaços abertos e disponíveis ao outro, convido-vos também a juntarem-se a nós. 
Sejam Bem Vindos!
Mas antes verifiquem se a vossa alma está inteira. Se o vosso coração está aberto. Se o vosso respeito próprio está ativo. Se o vosso sentido de humor está afinado. Se a vossa intolerância à maldade funciona. Se a vossa voz nunca se calará perante qualquer injustiça. Se sabem dar abraços e, por último, se gostam de um bom vinho tinto."   

 

terça-feira, 30 de maio de 2017

ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL

Odeio pessoas que passam o tempo a dizer que fazem, que são solidárias, que ajudam e, coitadas, não têm nada em troca.
Se é para ajudar é com o coração. Troca não se encaixa aqui.
Se dás não tens obrigatoriamente que receber.
Ainda hoje, passando pelo facebook, "li" alguém a fazer história de algo que fez aos sem abrigo. Parabéns! Mas para quê uma história tão grande de "eu sou a maior"?
Quando era miúda fascinavam-me aquelas pessoas que davam qualquer coisa, tipo 500 contos para ajudar na compra de um carro para um deficiente motor e pediam anonimato. Isso acontecia muito nos anos 70, na televisão. Bem hajam todos os que o fizeram sem se quererem identificar.
Não me querendo "publicitar" mas sim divulgar o evento deixo aqui o convite para uma venda que vou fazer no jardim da minha casa.
Vou vender as peças HEART ME e mais duas ou três pessoas quiseram-se juntar para vender os seus produtos.
E vamos ajudar a Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal que vive destes pequenas ações. 
Não alargo o texto, convido-vos a estarem presentes e a "espreitarem" esta associação   APCAS/
Muito obrigada                                                                                                                                   

segunda-feira, 15 de maio de 2017

"MAIS VALE SOZINHO...."

Um sábado em grande.
Portugal volta a ser conhecido depois dos Descobrimentos. Tempos de mudança? Desejamos que sim. Uma mudança positiva a todos os níveis porque, na verdade, somos pequenos mas GRANDES em tudo o que fazemos. Um VIVA  a PORTUGAL !

Hoje vou dar aqui um "lamiré" sobre relações que se transformam. Mas não consegui deixar de fazer a introdução ao nosso Portugal... Continuando:  já aqui escrevi várias vezes que, a meu ver, o horrível desta vida é uma doença e os que amamos estarem doentes."O resto" é ultrapassável...
Cheguei à fase em que os meus amigos estão em segundos casamentos e mesmo em terceiras, quartas relações. E os erros que cometem!!
Há aquele velho ditado que diz: " à primeira todos caem, à segunda só cai quem quer mas à terceira só se for parvo".
E é lamentável a quantidade de parvos. Pessoas que se deixam enlear em segundas, terceiras relações com homens e/ou mulheres que em nada os acrescentam, só os diminuem. Tenho muito perto um caso de ciúme doentio que leva a pessoa envolvia ao esgotamento. Ela mói-se de tristeza de enfado de tudo o que é negativo. O par não entende que essa pessoa com a idade que tem, tem que ter passado. Não é uma pessoa sem vida para trás... é uma pessoa carregada de vida, de memórias e de recordações das quais já fez o seu luto e decide apostar no outro. Mas o outro desgraça essa pessoa com o ciúme.
 Porque te sujeitas? O que te dão em troca? Companhia? Tens os teus amigos... Dinheiro? Não acredito (e mesmo que fosse, para quê? o dinheiro não nos compra a alma e o bem estar)...  Agarra-te ao "mais vale sozinho/a do que mal acompanhado/a" .
Para ti e para os outros que aqui se identificam só desejo o melhor (e o melhor não é o local onde estão). Pensem nisso!

segunda-feira, 8 de maio de 2017

UNTITLED

E porque hoje é dia 8, a Maria deu-me este texto que tenho o privilégio de o deixar aqui no blog.
 
"Comecei a ler uma tese de doutoramento sobre inovação, liderança e criatividade. Serão estes os ingredientes existenciais mais procurados no futuro, constatam.   
Enquanto isto, tento manter o mesmo ritmo intenso de abordagem a quatro projetos que estou a desenvolver. Ao mesmo tempo a minha filha pergunta-me porque, no seu manual de história,  está escrito que Salazar foi um ditador  entre aspas e isto no preciso momento em que o nosso cão labrador resolve mudar a sua cama de sítio, fazendo-se ouvir além portas, afinal a proximidade ainda é tudo, ou muito desse tudo. Eles sabem-no.
Depois, respiro fundo e percebo que sou feliz assim: entre palavras, projetos e afetos genuínos.
Ontem foi o dia da mãe e o Facebook e o Instagram encheram-se de fotos e comentários de acordo. Está bem, creio. 
E eu lembrei-me o dia todo das Madres de La Plaza de Mayo, um movimento que começou com uma mulher, Azucena Villaflor que a 30 de abril de 1977 acompanhada de doze outras mulheres denunciaram o envolvimento do regime ditatorial no desaparecimento dos seus filhos. 
Hoje ainda por lá andam. São avós, são mães e criaram uma ONG. E eu adoro-as.
É isto, só pode ser isto que se comemora no dia da mãe: a nossa coragem perante os desafios. Perante as dúvidas, perante a dor e o medo. Também a nossa entrega por cima dessa dor. 
Há pouco tempo lidei com uma situação de bullying sobre a minha filha. Inqualificável a atitude de violação do espaço emocional, foi no entanto em colaboração com ela que decidimos dar uma resposta criativa, desenvolvendo em parceria um projeto anti-bullying que será uma plataforma virtual, não só com informação necessária, bem como revelará outras abordagens inovadoras. 
Mais do que o sucesso e a necessidade do projeto, é este dar mãos e encostar de almas que me faz mãe. Ensinar a minha filha a ser arquiteta das suas necessidades quando o resto do seu mundo falha na capacidades de resposta, construindo pontes em vez de  muros... deixa-me antever  um bom futuro...
Mudar, mudar até de defeitos é para mim essencial. 
Por isso este texto é para todas as mães e todos os pais que são mães e todas as pessoas que são assim como mães. 
Ah, obviamente que também me lembrei da minha mãe e da minha avó, mas isso vai ficar comigo desta vez."